Mostrando postagens com marcador Guerra das Duas Rosas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerra das Duas Rosas. Mostrar todas as postagens

Richard III

Inglaterra, 1483.
 
Uma guerra civil divide o país, com a luta entre famílias rivais que disputam a coroa inglesa, a Guerra das Rosas.
 
A rosa vermelha é o símbolo da casa de Lancaster, e ao rosa branca é o emblema da casa de York.
 
A família rebelde de York luta contra o rei pelo direito ao trono de seu primogênito Eduardo. Seu irmão mais novo, o ambicioso Ricardo, Duque de Gloucester, vai à frente de seu exército.
 
Ele viria a se tornar o rei da Inglaterra, Ricardo III, após supostamente ter criado uma rede de intrigas e ter cometido ou encomendado alguns assassinatos, inclusive de familiares.
 
Essa reputação maligna do rei inglês mais controverso que já existiu foi endossada pela obra de William Shakespeare, "Richard III".
 
E a versão shakespeariana da estória do Rei Ricardo III pode ser apreciada no filme Richard III, de 1955, dirigida por Sir. Laurence Olivier, com a brilhante interpretação do próprio no papel principal.


 
 
Na segunda metade do século XV a Inglaterra estava bastante enfraquecida, vindo da disputa com França na Guerra dos Cem Anos.
 
 
Após o final dessa guerra, as famílias inglesas de York e Lencastre, ambas descendentes do Rei Eduardo III,  da dinastia Plantageneta, passam a disputar o trono, na guerra civil que ficou conhecida como Guerra das Rosas, e que acabou levando ao trono a casa da dinastia Tudor.




 



Uma outra brilhante montagem desse clássico é o filme também chamado Richard III, só lançada em 1995, e gravada de uma maneira muito ousada e inusitada, transportando exatamente a mesma estória para o ano de 1931, numa Inglaterra supostamente dominada pelos nazistas.

A Outra

Inglaterra, 1525.

O rei Henrique VIII, da dinastia Tudor, aos 34 anos de idade e 16 anos de reinado, está casado com Catarina de Aragão, 6 anos mais velha que ele, e já impossibilitada de gerar o filho que ele e todo o reino tanto desejam.
 
Frustrado com a falta do herdeiro, Henrique conhece as irmãs Maria e Ana Bolena, sendo Ana apresentada a ele já com o interesse prévio de sua família de obter uma proximidade bastante conveniente e proveitosa com o monarca.
 
Os acontecimentos que viriam após esse encontro mudariam radicalmente a história da Inglaterra, e estão contados no excelente filme A Outra (título original: The Other Boleyn Girl), de 2008, do diretor inglês Justin Chadwick.
 
 
O elenco também merece destaque: 
 
- Natalie Portman no papel de Ana Bolena
- Scarlett Johansson interpreta Maria Bolena
Eric Bana no papel do rei Henrique VIII
 
O rei Henrique VIII e a esposa, a rainha Catarina de Aragão tinham perdido mais um filho recém nascido, e a rainha não poderia mais gerar filhos. Eles já tinham uma filha, Maria.
 
Rei Henrique VIII
 
Rainha Catarina de Aragão
 
 
 As pessoas próximas ao rei sabiam que ele em breve procuraria uma outra mulher, e, apesar dessa mulher não poder passar de uma amante, já que o casamento real não poderia ser desfeito, ela e sua família desfrutariam de muitas regalias e teriam muitas influências e vantagens na corte.
 
O rei parte para uma caçada no campo e hospeda-se na casa da aristocrata família Bolena, que já tinha o interesse de apresentá-lo a sua filha solteira, Ana Bolena. Porém, o comportamento de Ana não agradou ao rei, que ficou mais entusiasmado com sua irmã, Maria Bolena, que já estava casada.
 
Maria resistiu mas não teve como ir contra aos interesses de sua família e inclusive de seu próprio marido, e passou a ser a amante oficial do rei, dando-lhe um filho homem, mas que não era reconhecido oficialmente.
 
Ana, como punição pelo comportamento que havia desagradado ao rei, fora mandada para a França, em 1514, para ser dama de companhia da rainha Cláudia de Valois, de onde voltou oito anos depois completamente mudada, ainda mais bonita, inteligente e sofisticada. Essa nova Ana Bolena agradou muito ao rei, já cansado de Maria Bolena.
 
Ana Bolena
 
Ele se apaixonou por ela e passou a cortejá-la, mas Ana soube se valorizar, pois não queria ser mais uma amante, mas sim a rainha. Só que, de acordo com a religião, o rei não poderia desfazer seu casamento com Catarina de Aragão, mas estava completamente enlouquecido por Ana, que o convenceu a romper com a Igreja Católica e fundar uma nova Igreja, seguindo o movimento protestante que já havia começado com Lutero na Alemanha.
 
Assim, em 1534, o rei Henrique VIII assinou o Ato de Supremacia, rompendo de vez com a Igreja Católica e com Roma, cujo líder era o Papa Clemente VII, e confiscando as terras da igreja na Inglaterra. Ele casou-se com Ana Bolena, que passou a ser a rainha, e fundou então a Igreja Anglicana, desagradando a opinião de seus súditos.
 
Só que Ana também não conseguia dar um herdeiro para o trono inglês, e após tantos problemas em torno desse casamento, o rei já havia perdido o interesse por ela. Ela já tinha dado a luz a uma menina, Isabel (também conhecida como Elizabeth).
 
Ana então comete seu maior erro. Ela estava grávida e tinha grandes esperanças de que fosse um menino, e assim ela pudesse recuperar o amor de Henrique, já perdido há muito tempo. Só que ela perde o bebê, e, sabendo que o rei dificilmente a daria uma nova chance, não conta o fato ao rei e pede para que seu irmão, Jorge Bolena, a ajude a engravidar novamente. Ele recusa tal aberração, mas cede com pena da irmã.  
 
A história do incesto é logo descoberta. Ana e Jorge, apesar de não terem consumado a traição, foram condenados à morte e executados em 1536. Ana tinha então 35 anos de idade.
 
Henrique VIII, então com 45 anos, viveu e governou por mais 10 anos. Teve outras esposas e outros filhos, inclusive um menino, Eduardo VI, que o sucedeu no trono inglês ao 9 anos de idade, mas que faleceu logo, aos 16 anos.

Em seguida Maria I, sua filha com Catarina de Aragão, assumiu o trono. Ela governou por mais 5 anos, até sua morte em 1558.
 
Assume então Elizabeth I (ou Isabel I), filha de Henrique VIII com Ana Bolena, a primeira rainha prostestante, que governaria a Inglaterra por 45 anos. Falaremos dela na postagem do filme Elizabeth.
 
----------------------------------
 
A dinastia dos Tudors iniciou com Henrique VII, pai de Henrique VIII, marcando o fim da Guerra das Rosas, ocorrida entre 1455 e 1485.
 
Essa guerra era uma disputa pelo trono da Inglaterra travada entre as famílias York, cujo símbolo era a rosa branca, e Lancaster, que tinha a rosa vermelha como emblema.