Mostrando postagens com marcador Guerras Púnicas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Guerras Púnicas. Mostrar todas as postagens

Cabiria

O filme italiano Cabiria, de 1914, do diretor Giovanni Pastrone,  foi uma superprodução grandiosíssima para a época, exibida para pessoas dos mais altos escalões em vários países, inclusive nos EUA, quando foi apresentado na Casa Branca para o então presidente Woodrow Wilson.
 
A história se passa entre os anos 218-202 a.C, durante o período da Segunda Guerra Púnica, entre o Império Romano e Cartago (onde é a atual Tunísia).
 
 
 
Cabiria é uma garotinha no início do filme. Ela sobrevive a uma enorme erupção do vulcão Etna, que fica na Sicília, Itália, junto com sua babá, que a protege de ser vendida como escrava, onde seria entregue em sacrifício ao deus (demônio) Moloch.
 
Quem já leu o Antigo Testamento sabe o quanto essa entidade Moloch é citada como sendo um ser horrível e nojento.
 

Arquimedis e o Cerco a Siracusa

 
O filme mostra também o cientista Arquimedes (287-212 a.C.), da cidade de Siracusa, na Sicília, que hoje pertence à Itália, mas que na época fazia parte da Magna Grécia (conjunto de colônias gregas que formavam a Hélade).


Arquimedes

Ator Enrico Gemelli como Arquimedes
 
 
Arquimedes era matemático, físico, astrônomo, engenheiro, e deixou enormes contribuições à ciência sobretudo no campo da engenharia.
 
Suas invenções bélicas também foram relevantes e no filme ele aparece desenvolvendo e aplicando sua invenção chamada "raio de calor de Arquimedes", que consistia de um conjunto de espelhos que devidamente posicionado conseguia atear fogo em determinados locais por refletir a luz solar.
 
O dispositivo foi usado contra os navios romanos durante o Cerco a Siracusa (214-212 a.C.), assim como várias outras invenções do cientista.

Hannibal, o Invencível

Roma, 218 a. C..

A república romana está enfrentando o segundo  dos três conflitos com a república de Cartago, conhecidos como Guerras Púnicas.

Em 219 a. C., o general cartaginês, Aníbal, ataca a cidade romana de Sagunto, na Espanha. A resposta foi: "Roma oferece paz ou guerra, escolha. Para Roma, tanto faz".

Essa é a história contada no filme Hannibal, o Invencível, do diretor italiano Carlos Ludovico Bragaglia, rodado em 1960.


 
 
A cidade de Cartago ficava localizada onde hoje é a Tunísia.
 
Ela detinha um enorme poder territorial no norte da África e no sul da Península Ibérica, onde explorava minas de prata nas suas colônias espanholas. Ela se sentiu ameaçada pela expansão romana.
 
 
 

 
 
Primeira Guerra Púnica:
 
Quase meio século antes, em 264 a. C., Amílcar Barca, pai de Aníbal e fundador da dinastia militar dos barcidas, havia travado a primeira guerra púnica contra Roma no Mar Mediterrâneo. Ele liderou a conquista de colônias na Espanha.
 
A guerra terminou empatada, mas com um acordo de paz com piores condições para Cartago. Os cartagineses, que eram exímios navegadores, foram obrigados a limitar sua marinha a apenas 100 navios.
 
Após a morte de Amílcar, seu genro Asdrúbal, o Esplêndido, assume seu lugar, mas por pouco tempo. Após seu misterioso assassinato, Aníbal se torna o governante.
 
 
Segunda Guerra Púnica:
 
Aníbal havia jurado no leito de morte de seu pai que passaria a vida lutando contra Roma, até dominá-la completamente. Porém, como não tinha mais a marinha e para surpreender o opositor, decidiu investir contra a Itália por terra, a partir da Espanha, acompanhado de 40 mil soldados e dezenas de elefantes, verdadeirós tanques de guerra, seguindo pelos Alpes, atraindo os gauleses para lutarem como seus aliados.
 
Ele partiu da Espanha, atravessou os montes Pirineus, istmo da Península Ibérica e divisa entre Espanha e França, até o vale do rio Pó, na Itália. Cruzou o rio Ródano até chegar aos Alpes.
 
Aníbal foi um brilhante estrategista e suas táticas militares são ensinadas até os dias de hoje. Ele estudava profundamente seus adversários, dormia e comia junto com seus soldados.
 
Na época o cônsul de Roma era o experiente general Públio Cornélio Cipião, mais conhecido como Cipião Africano. Ele derrotaria Aníbal definitivamente na Batalha de Zama, em 202 a. C., assumindo o controle das colônias cartaginesas na Península Ibérica, pondo fim à Segunda Guerra Púnica.
  
 
 

Batalha de Zama
 
Mas antes disso Cipião sofreria derrotas para Aníbal, como na batalha às margens do Rio Trébia, contada no filme em questão.
 
A história de Cipião também é contada no filme italiano Scipione L'Africano, de 1937, do diretor Carmine  Gallone, produzido pelo filho de Benito Mussolini, durante o fascismo na Itália.
 
 
 
Em uma das batalhas anteriores, Aníbal decide entrar em um perigoso pântano para surpreender o inimigo, onde é picado por um inseto no olho direito.
 
Terceira Guerra Púnica:
 
Foi travada entre 149 a. C. a 146 a. C., na cidade de Cartago, a qual foi completamente destruída pelos romanos, liderados pelo general Emiliano, que a cobriram de sal para que nada mais fosse ali produzido.
 
Assim começa o apogeu de Roma, que possui agora o domínio do Mar Mediterrâneo.