Mostrando postagens com marcador Segunda Guerra Mundial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Segunda Guerra Mundial. Mostrar todas as postagens

Pearl Harbor / Conspiração Xangai

Na postagem de estreia desse espaço vamos falar dos 72 anos do ataque surpresa realizado pelo Japão à base naval norte-americana de Pearl Harbor, ocorrido em 7 de dezembro de 1941, marcando a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial.

Para isso vamos usar dois filmes: Pearl Harbor (2001)Conspiração Xangai (2010)





O primeiro é aquele típico filme de Hollywood, com romances açucarados e um nacionalismo exacerbado, mas é muito bem feito, com excelentes efeitos especiais e é um ótimo entretenimento. Mas o que importa mesmo é que ele retrata bem o contexto americano em relação à Segunda Guerra Mundial antes e depois do ataque, mostrando como ocorreu a investida japonesa.

Já o segundo filme, Conspiração Xangai, está ambientado na cidade que dá nome ao título, já invadida pelos japoneses, e se passa num período de poucos meses antes do ataque à base americana, quando havia um mistério em torno da localização da frota japonesa no Pacífico, que viria a promover o bombardeio.


Entendendo todo o contexto:

- O cenário era a Segunda Guerra Mundial.

- Os EUA não estavam na guerra e não queriam participar dela, mas sabiam que em algum momento isso seria inevitável.

1931 - Japão invade a Manchuria (hoje nordeste da China), acreditando estar liberando os chineses do colonialismo e porque precisava dos recursos naturais da região.

1937 - Japão invade Xangai e Nanquim, na China.

1940 - Presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, decide transferir a frota de navios americana da base naval de San Diego, na Califórnia, para a base naval de Pearl Harbor, no Havaí, acreditando que lá ela estaria mais protegida.

Presidente Franklin Roosevelt

20/09/1940 - Japão invade a Indochina Francesa, região que hoje compreende o Vietnã, o Laos e o Camboja.

27/09/1940 - Japão alia-se à Alemanha e à Itália, formando o bloco do Eixo.

- Japão possui forte dependência da importação de petróleo dos EUA.

- Após as invasões japonesas, os EUA congelam os bens japoneses em território americano e suspendem o fornecimento de petróleo, exigindo a sua saída imediata da Indochina. 

- Japão não cede às exigências americanas e declara guerra aos EUA.

- o Imperador Hirohito juntamente com o Primeiro Ministro Tojo e o Comandante Yamamoto, planeja o ataque minuciosamente, e os militares japoneses treinam exaustivamente a operação.

 Imperador Hirohito

 Comandante Yamamoto

Primeiro Ministro Tojo


Eles desenvolvem uma adaptação de madeira para os torpedos, uma espécie de barbatana, tornando-os mais eficazes em águas rasas, típicas em Pearl Harbor.

A intenção era atingir com um golpe certeiro o maior número de recursos bélicos americanos, atrasando assim a entrada do rival na guerra efetivamente.


07/12/1941 - Numa típica e tranquila manhã de domingo, dia em que normalmente havia mais navios atracados, o Japão ataca violentamente a base de Pearl Harbor, provocando severas perdas para a armada americana no Pacífico, despertando "o gigante adormecido", naquele que ficou conhecido como "o dia da infâmia".

No entanto, o Japão não consegue destruir os tanques de petróleo, as oficinas e os porta-aviões americanos que não estavam na base no dia do ataque, permitindo que os EUA pudessem se recuperar no ano seguinte. 

Os porta-aviões eram o ativo mais importante para ambos os lados na guerra do Pacífico.

08/12/1941 - O Presidente Roosevelt, com o apoio do povo americano e dos militares, declara guerra ao Japão. 

18/04/1942 - É posto em prática o Ataque Doolittle, articulado pelo Tenente-Coronel James H. Doolittle, o qual contou com 16 aviões B-25, com dois motores, que comportavam uma carga maior de bombas e que podiam ser lançados de porta aviões, porém não podiam estar equipados com muitas armas de defesa, para que seu peso fosse o mais reduzido possível. 

Tenente-Coronel Doolittle

Após intenso treinamento, os aviões finalmente realizaram os bombardeios sobre as áreas industriais, militares e locais de armazenamento de petróleo nas cidades de Tóquio e Nagoya, com a intenção de pousar na costa leste chinesa. 

Nem tudo saiu como esperado durante a conclusão da missão, mas esse ataque serviu para elevar o moral do povo americano e enfraquecer o oponente nas batalhas que viriam a seguir.


Localizando o evento no tempo: